• Banner
  • RH Bahia
  • RH Bahia
  • Casa Nova

Notícias

06/05/2019 14:10

Alunos da UFBA vencem desafio de programação ao criar assistente virtual

Pensar, planejar e criar. Esses são apenas alguns dos verbos que podem representar os trabalhos das sete equipes que participaram da oitava edição do Desafios Bahia Hackathon, uma iniciativa da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação do Estado da Bahia (Secti). A maratona de programação aconteceu no sábado e domingo (4 e 5), na antiga sede da EBDA, em Salvador. Estudantes do interior e da capital propuseram soluções inovadoras para resolver os problemas enfrentados pelas Organizações não Governamentais (ONGs). O time vencedor do desafio, da Universidade Federal da Bahia (Ufba), criou uma assistente virtual batizada como IARA, ganhando o desafio e o prêmio de R$ 3 mil.

Fellipe Narde, integrante da equipe vencedora, conta que ele e seus colegas focaram em resolver o problema de captação de talentos para trabalhos voluntários e a dificuldade de comunicar a existência de plataformas solidárias. “Criamos a IARA, Inteligência Artificial de Relação Ampliada, que é uma assistente virtual com uma personalidade inspirada nas mulheres que lutam por uma sociedade melhor. Ela é capaz de filtrar os talentos e aptidões através de uma conversa de texto em um aplicativo de troca de mensagens como WhatsApp e Messenger”, explica.

As sete equipes tiveram 36h para apresentar um projeto que ajudasse a solucionar problemas enfrentados pelas ONGs. Os problemas estão concentrados nos setores de gestão do voluntariado, comunicação, documentação e capacitação. Além dos vencedores, os times da Uesb e Uneb também foram premiados. Eles ficaram em segundo e terceiro lugares e receberam cheques nos valores de R$ 1 mil e R$ 500, respectivamente. Estudantes da Unijorge, Ifba, Uesf e UFRB também participaram da maratona.

Coordenador do Hackathon por parte da Secti, Sócrates Santana destaca a importância do desafio, principalmente para ONGs e Poder Público. "O hackathon mostra como 40 pessoas focadas podem, em 36 horas, criar e implantar ideias óbvias, nunca na história imaginadas, para transformar o mundo. No caso do Governo e das Ongs, o hackathon surge como um acelerador de talentos e de soluções públicas para a sociedade, capaz de mobilizar voluntários, empresas e governos em prol da solidariedade".

Essa edição do Desafios Bahia Hackathon, que foi aprovada pelo edital USBEA Bahia + Acbeu Small Grants Contest do Consulado dos Estados Unidos – Rio de Janeiro, contou com organização do Centro de Estudos do Subúrbio e do Grupo Bagunçaço. A maratona de programação teve apoio das secretarias de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti) e de Desenvolvimento Rural (SDR), bem como Unifacs, StartOnApp, Fundação Estatal Saúde da Família (Fesftech) e Associação Nacional de Fundações Estatais de Saúde (ANFES).

COMO FUNCIONA A IARA

A equipe vencedora do Desafios Bahia Hackathon ganhou o prêmio de R$ 3 mil ao oferecer como solução para os problemas enfrentados pelas ONGs uma plataforma chamada IARA - Inteligência Artificial de Relação Ampliada. A IARA facilita o direcionamento dos voluntários para as áreas corretas dentro das ONGs, de acordo com a aptidão de cada um. Ela também é capaz de estabelecer diálogos por texto e por voz, podendo estar presente em todos os lugares, como, por exemplo, redes sociais, aplicativos de mensagens e sites, alcançando o máximo de pessoas, de maneira acessível, inclusive pessoas com algum tipo de necessidade especial, gerando simplicidade e encurtando as distâncias.

Confira, abaixo, lista com equipes vencedoras e seus integrantes

1º Lugar – Time Ufba

Caio Vinicius

Fellipe Narde

Ramon Freire

Tarcicio Oliveira

Thiago Moreira

 
2º Lugar – Time Uesb

Caio Silva

Claudia Lopes

Jessica Cerqueira

Tailane Maia

Tulio Calil

Victória Trindade

 
3º Lugar – Time Uneb

Danilo Nascimento

Fernando Maia

José Diogo Carneiro

Juliana Santana

Foto
Foto

Foto
Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.